Renove

Estilo militar: um clássico que é tendência

Considerado clássico, que volta e meia surge como tendência, o estilo militar começou a flertar com o feminino na década de 1940, quando os tailleurs ganharam um look “uniformizado”, dragonas (ombreiras militares) apareciam nas jaquetas e as cores camufladas (verde, marrom, bege) substituíram os tons pastel, isso sem falar nos cortes ajustados e nos detalhes funcionais, como bolsos e cintos largos ajustando a cintura. Devemos lembrar que esse visual era decorrente do período de guerra, que resultou na escassez de produtos de moda e na necessidade de roupas mais práticas e funcionais para a mulher assumir inéditos postos de trabalho, inclusive em fábricas de armamentos, substituindo a mão de obra masculina que estava nos frontes de batalha.

Nos anos 1960, o militar voltou ao cotidiano feminino de uma forma diferente, como um manifesto anti-guerra, usado, principalmente, pelos jovens. E assim foi até meados dos anos 1970, quando se encerrou a guerra do Vietnã, mas não a paixão pelo visual militar – inclusive, no pós-guerra, o excedente original dos campos de batalha começou a chegar em brechós e casas vintage, tornando essas peças um artigo disputado entre os influencers do período. E assim o militar invadiu palcos, clubes, editoriais.

[vitrine]

Já nos anos 1990, o militar é resgatado pelo movimento grunge, surgindo ao lado de flanelas xadrezes, jeans e vestidos vintage. Em seguida, torna-se elemento fundamental do ainda restrito perfil boho-chique, fazendo companhia para peças ares de puro romance, como os slip dresses – por sinal, este jeitinho de vestir segue eternamente bonitaço e como sugestão superatual até hoje.

[vitrine]

Nos anos 2000, o militar foi e voltou de wish lists fashionistas e agora está, novamente, entre as principais tendências, a começar pela cartela de cores, com verdes olivas, azuis-marinhos e camels intensos marcando presença em diversos estilos. Os casacos de inverno com inspiração nos uniformes do exército de várias épocas se destacam como favoritos, assim como as referências utilitárias na nova alfaiataria mais “desconstruída”, desestruturada. Da parka ao trench coat molengão, da camisa ao macacão, tudo tem um gostoso toque army.

[vitrine]

Deixe uma resposta